Shely Bianchi

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Casamento no Campo - Meu Novo Texto no Clube Noivas

Já que falei sobre Casamento na Praia, no texto anterior, nada mais coerente do que sucede-lo com um texto sobre Casamento no Campo. Segue um trechinho, mas clique no link para conferir na integra: 

"O casamento no campo tem um mood (clima) intimista, que conta com a natureza como decoração e é extremamente romântico. Se este é o seu sonho, é preciso muito planejamento para que tudo saia perfeito. Pois, assim como no casamento na praia, algumas questões precisam de maior cuidado; são algumas elas: traslados, coberturas impermeáveis, iluminação etc."


Relembre o texto: "Casamento Boho: Inspirações e Dicas para Seguir a Tendência". Pois o estilo Boho, que remete a conforto e natureza, combina perfeitamente com casamentos no campo. 


quinta-feira, 11 de maio de 2017

Casamento na Praia - Meu Novo Texto no Clube Noivas


Estou bem sumida do blog, né. Mas, infelizmente não tenho conseguido me dividir entre os textos e a assessoria. Espero conseguir isso em breve, tenho saudades daqui. 

E para relembrar um pouco minha paixão, tive um texto publicado no Clube Noivasseguir, uma amostra, mas clique aqui para conferi-lo na íntegra. 

"Ter a beleza da natureza como decoração principal do casamento é o que leva os casais a escolherem a praia como locação para o grande dia. O desejo de ter um casamento na praia, se casar ao ar livre, com os pés na areia, o mar ao fundo e ao som das ondas quebrando, vem crescendo cada dia mais com o chamado Destination Wedding."



sexta-feira, 31 de março de 2017

O Melhor Café

Melhor que tomar café em casa é tomá-lo em uma cafeteria, por infinitos motivos, mas aqui só descreverei três. 
Em primeiro lugar, o aroma que toma o ambiente e fascina ao primeiro inalar. 
Em segundo, a comodidade. Eles preparam seu café e levam na mesa. 
Por fim, postergar o término do café para ouvir, disfarçadamente, histórias aleatórias de totais desconhecidos que ocupam as mesas a sua volta.

quinta-feira, 23 de março de 2017

Sobre Esperar e Envelhecer

Esperei nove meses para nascer e depois esperei crescer.
Então, esperei completar 18 anos, na certeza de que algo transformador aconteceria. E quando completei, descobri que é uma idade como todas as outras. 
Já adulta, espero por conquistas, que os problemas se resolvam e que o café fique pronto. 
Hoje, aos 28 anos, espero que a velhice chegue e que seja doce. Assim que ela chegar para mim, conto a vocês o que mais esperar. 

quinta-feira, 2 de março de 2017

Sobre Meu Distanciamento do Blog

Vim dar uma satisfação sobre a escassez de posts aqui no blog. Acontece que, ano passado, minha amiga Gabriela Sanches, me convidou para iniciar uma empresa de assessoria para festas e eventos, com foco em casamentos. Sem pensar duas vezes aceitei a proposta, pois colocaria em prática todo o conhecimento que adquiri, desde de minha formação, por meio dos trabalhos voltados para a área. Como: ser assistente de estilista em um atelier de moda noiva, escrever para o Zankyou é Clube Noivas, cobrir eventos como Bride Style, cobrir os principais desfiles de moda noiva e festas, entre outros. 

Em 2016, com o início da parceria, rimos poucas festas agendadas. Desta forma consegui conciliar o blog aos eventos. Este ano, crescemos mais um pouco e essa conciliação se tornou complicada. Mas, creio que em breve, vou me adaptar aos dois trabalhos e assim conseguirei postar com maior frequência. 

Estou adorando o mercado de festas, mas não quero deixar de lado minha paixão, que é escrever. 
Peço que tenham paciência neste período e não me abandonem, pois quando menos esperarem terá post novo. 


sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Eu e a MG - Certa de que Vencerei Todas as Batalhas que Enfrentar

Ontem, uma pessoa me perguntou como foi meu 2016. De forma automática e no mesmo instante, respondi que tinha sido difícil. Foi então, que ela quis saber o por quê. Para justificar minha resposta a única coisa que me veio em mente foi a perda da minha vó. Apesar de mais coisas ruins terem acontecido, como uma crise miastênica com falta de ar, não lembrei delas. 

Com isso, conclui que não lembrei das demais dificuldades pelas quais passei, pois venci cada uma delas. E assim, o provérbio "Para tudo nessa vida tem jeito, menos para a morte" se fez veraz, confirmando algo que sempre acreditei: "Vencerei todas as batalhas que enfrentar!". 


Beijos e força para todos!


sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Eu e a MG - Medos que a Miastenia Traz

Resolvi compartilhar esta particularidade minha, pois ao refletir bastante sobre meu medo de ficar sem energia elétrica, descobri que ele estava ligado a Miastenia Gravis e ao entender o por que, deixei de temer. Espero que ao dividir este processo de entendimento,  vocês possam pensar melhor sobre seus medos e deixar de temê-los.

É muito comum que pessoas com doenças raras, como a nossa, tenham preocupações que possam desencadear fobias. Como, se você costuma frequentar o mesmo hospital durante as crises miastênica  e ele fica razoavelmente próximo a sua casa, pode ter medo de viajar para um lugar distante. Isso por que, se precisar de atendimento, não será no hospital em que já conhece e confia. Para que seu medo não lhe impeça de ir, sugiro que solicite ao seu médico uma indicação de hospital, na região em que se hospedará, e um relatório descrevendo seu quadro atual e medicações que faz uso. Desta forma se sentirá segura e o medo não lhe impedirá de realizar um belo passeio. 

Voltando ao meu medo de falta de energia elétrica. Não sei bem quando começou, mas lembro de me sentir angustiada e ficar inquieta durante apagões. Mesmo quando estava junto de pessoas queridas, tinha algo para fazer, ou mesmo, era madrugada e eu poderia simplesmente ir dormir. 

Comecei a questionar-me o por que deste medo e a medida que chegava a conclusão o medo diminua, até que sumiu. 

Eu passei a perceber que relacionava a falta de energia elétrica com falta de ar. Como já tive várias paradas respiratórias, por conta da Miastenia, e o que me manteve viva nestes momentos foi a ventilação mecânica, ligada a uma tomada elétrica, inconscientemente cheguei à conclusão que "sem luz, sem ar". E foi quando entendi isso, parei e pensei logicamente: "Se eu tenho falta de ar, vou para o hospital, e lá tem gerador. Ou seja, não vai faltar energia elétrica para me manter viva!".

Hoje fico muito bem sem luz elétrica, tanto que escrevi este post em um momento de apagão. 

Espero que meu relato te ajude a entender seus medos e a conviver bem com a Miastenia. 

Beijos e força para todos. 

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

3 Músicas que a Maioria dos Casais Escolhem para a Cerimônia de Casamento mas Não Deveriam


Penso que para selecionar as músicas da cerimônia de um casamento, os casais devem levar em consideração outras questões além do gosto. Pois, algumas canções remetem a filmes, acontecimentos históricos, associações a figuras públicas etc, e isso pode passar um significado oposto ao desejado. 

Outra questão bem importante é referente as músicas internacionais. Saber a tradução correta da mesma é essencial. 

Ao refletir sobre isso e ver cada vez mais pessoas errando em suas escolhas, resolvi escrever sobre isso e exemplificar com três músicas. Assim, mesmo que não use os exemplos a seguir, você irá se perguntar se está fazendo a escolha correta para embalar sua celebração. 


1 - My Girl;
A música é tema de um filme com o mesmo nome, "My Girl", que em português virou: "Meu Primeiro Amor". A letra é bonita, fala sobre como "Ele" sente que a vida é linda, mesmo que não seja, isso porque tem uma garota. Até aí ok! Mas, quando ouvimos esta letra, lembramos imediatamente do filme. E no filme, (atenção ao spoiler) "Ele" morre por uma crise alérgica desencadeada por picadas de abelha e não há um "felizes para sempre". 

2 - Hallelujah; 
O refrão fala: "Hallelujah" (aleluia). Então, as pessoas relacionam à música com religião e pronto, põem para tocar na cerimônia. Se esquecem de ver o resto da letra, que para mim não faz sentido nenhum (se você entende o significado dela, deixa aqui nos comentários, por favor). E se a questão era só religiosa, cai por terra quando em um dos refrões segue a frase: "Maybe there's a God above" (Talvez haja um Deus lá em cima). 

3 - Clarinada - 2001: A Space Odyssey;
O filme, em português "2001: Uma Odisséia no Espaço", é um clássico e apesar de ser bastante subjetivo, a parte inicial, na qual toca a clarinada em questão, é fácil de se compreender. Tratasse da evolução dos primatas, "ajudados" por uma inteligência extraterrestre, representada na cena por um monólito, que surge repentinamente. Assim, o macaco percebe que um osso é uma ferramenta. Então eu me pergunto: O que isso tem a ver com casamento, amor, enlace?

Você ainda quer que estas músicas toquem em seu casamento?

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Centro Universitário Belas Artes Abre Inscrição para Graduação em Mídias Sociais Digitais

  
Estão abertas as inscrições para o vestibular 2017 do curso de Mídias Sociais Digitais da Belas Artes de São Paulo, referência em Economia Criativa no país. Os interessados podem se inscrever até o dia 27 de fevereiro no site da instituição.



Criado em 2014 em parceria com a empresária de moda Alice Ferraz, o curso tornou-se a primeira graduação 100% focada em mídias sociais digitais e tem como objetivo formar profissionais capacitados a produzir conteúdo para o meio digital, administrar redes sociais e entender as necessidades de cada empresa dentro do universo online.

Com dois anos de duração, o conteúdo é direcionado tanto para o público que deseja profissionalizar seu blog pessoal, quanto os que almejam trabalhar a reputação de empresas e indivíduos na sociedade on-line. A matriz curricular contempla matérias direcionadas em proporcionar uma formação completa. As disciplinas se dividem em cinco eixos: Cultura e Sociedade; Mídia e Linguagem; Tecnologia Digital; Business; Direção de Arte. Entre as disciplinas, destaque para Digital branding, Digital coolhunting, Sociedade digital e Criação Visual e Multimídia.

Inscrições pelo site: www.belasartes.br/vestibular.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

As Apostas da Picadilly para o Inverno 2017


Para o Outono/Inverno 2017, a marca investe em tendências que prometem aquecer a moda e o setor de calçados. Metalizados, botas com medidas especiais e estilo o tomboy (no qual predomina o uso de peças masculinas), são apenas algumas das várias apostas feitas pela Picadilly


Para a temporada fria, a Piccadilly apresenta um novo cenário fashion, com calçados que unem estilo e conforto. As inspirações para a coleção exploram uma crescente interdependência entre temas aparentemente antagônicos, como natureza e tecnologia, passado e presente, minimalismo e maximalismo. Com isso, a marca apresenta uma proposta ousada através de quatro temas principais, Manufatura e Design; Lúdico e Livre; Natureza e Audácia; Opulência e Recodificação, que dão base à incrível coleção Outono Inverno 2017.
             


Entre os hits estão os mules, responsáveis pela autenticidade e pelo mood elegante do visual. Estas tendências surgem com propostas minimalistas, mas não ofuscam o design e os materiais, que passeiam entre o croco e o metalizado piombo. Outro toque irreverente são os calçados com conceito tomboy, que está em alta e surge em modelos mais pesados, com plataformas grossas e largas, além da sola tratorada.


Com proposta futurista, a Piccadilly investe em botas com metalizado fosco ou envernizado, que dão um ponto de luz no visual. A tendência surge até nos modelos sport casual, para mulheres ousarem nos looks despojados, sem perder o requinte. Ideal para fashionistas autênticas, que procuram o calçado perfeito para a temporada e que também buscam o conforto que o tênis proporciona. Afinal, estar confortável é a tendência mais forte da próxima estação.


Sleepers e loafers seguem consagrados na temporada fria. Eles surgem somados às outras tendências, como texturas e mix de cores, verniz e vazados, que estão entre as alternativas para aumentar o estilo do design do calçado.


A marca aponta também para os calçados gáspea vamp, com formato largo no calcanhar e silhueta extremamente alongada na ponta dos pés, deixando o visual do pé mais estreito e delicado. É uma repaginação sofisticada dos escarpins. Uma releitura que fica mais ousada quando somada ao mix de materiais e ao salto sorvete, que começa alongado e termina bem mais fino. Além dessas novidades, esses modelos não apertam os pés, se tornando ideais para mulheres que possuem joanetes.


A proposta urbana entra em cena com as urban boots e ankle boots. Embora com propostas ousadas e despojadas, o sofisticado presencia-se com o tecido aveludado, além de fivelas e zíperes, que dão bossa aos modelos. Outros dois hits prometem renovar o estilo das mulheres no alto inverno: chelsea boots e utilitários. Eles surgem para reforçar o conceito do inverno através de modelos robustos. A Piccadilly desenvolveu botas com medidas especiais, que servem para panturrilhas mais grossas, sem perder o charme do modelo.



Queridinhas das últimas temporadas de inverno, as botas leggings retornam com força total, através dos modelos e altura de saltos variados. Embora irreverentes, são modelos cheios de estilo, que combinam totalmente com o mood do inverno.