Pular para o conteúdo principal

Palestra O Corpo Utópico: Anotações Sobre Moda e Gêneros

Cada dia mais a moda revê as questões de gênero e passa a pensar um só corpo. Tão em alta esta questão que uma das ultimas tendências é a moda genderless (sem gênero). Se te interessa pensa um pouco mais sobre o assunto, indico a palestra O Corpo Utópico: Anotações Sobre Moda e Gêneros. Confira mais informações a seguir: 


O corpo utópico: Anotações sobre Moda e Gêneros, ministrada pelo pesquisador em filosofia, e idealizador do projeto “A Literatura e a Moda”, Brunno Almeida Maia (UNIFESP – Universidade Federal de São Paulo), procura estabelecer a relação existente entre o corpo, a vestimenta e os recentes debates sobre gêneros e sexualidades no contemporâneo, nas perspectivas de autores como Simone de Beauvoir, Michel Foucault e Judith Butler. Com entrada colaborativa, o evento ocorre no próximo dia 19 de setembro, segunda-feira, das 18h às 20h30, na Casa Judith, em São Paulo.

Entendendo tanto o corpo, como a roupa, como linguagens históricas, culturais e pertencentes a um “regime de verdade” no ocidente, a Moda realçou, desde o século XIV até a ascensão da burguesia no XIX, os aspectos binários do masculino e feminino no guarda-roupa. A partir dos anos 00, o movimento Agender, ou “sem gênero” ou “gênero nulo”, propõe como principal característica a diluição, ou melhor, a reinvenção e a remodelação das formas corpóreas a partir da roupa, permitindo uma melhor aproximação entre shapes que transitem entre o feminino e o masculino. Marcas internacionais como Saint Laurent, JW Anderson e Hermès, e as magazines Topshop e The Kooples, adotaram o estilo na esteira da Selfridges, que reservou uma seção inteira em sua loja para o tema.

No que diz respeito à “origem” do Agender – origem nos termos do filósofo, crítico e ensaísta alemão Walter Benjamin, como a temporalidade no qual algo brota incessantemente, e que atualiza as potências do passado no presente - podemos citar a historicidade do repensar as formas do corpo a partir dos séculos XIX e XX, inicialmente com a Filosofia, depois com a geração de artistas, pintores, escritores e poetas no Modernismo, e, a partir dos anos 80/90 do século XX, com a Moda, na esteira dos estudos de gêneros e sexualidades iniciados com Simone de Beauvoir, Michel Foucault e Judith Butler, entrelaçando-os com as propostas de vanguardas da geração dos costureiros japoneses na década de 80, como Yohji Yamamoto, Rei Kawakubo para Comme des Garçons e Issey Miyake, e o trabalho autoral dos estilistas belgas do The Antwerp Six (Escola da Antuérpia).

O objetivo é costurar autores como Gilles Lipovetsky, Judith Butler, Simone de Beauvoir, Michel Foucault, Walter Benjamin, Friedrich Nietzsche, Charles Baudelaire, Gilles Deleuze, Donna Haraway, Michel Foucault, Jacques Rancière, Virginia Woolf, Marcel Proust, entre outros, com movimentos políticos, artísticos e culturais como o Surrealismo, o Maio de 1968, os estilistas belgas do The Antwerp Six (Escola da Antuérpia), os costureiros japoneses – Rei Kawakubo, Yohji Yamamoto, Issey Miyake – a Queda do Muro de Berlim, e com os trabalhos de artistas plásticos como Leonilson, e Hélio Oiticica, de músicos como David Bowie, e de criadores contemporâneos na Moda como Marc Jacobs e Alexandre Herchcovitch, para alargar a percepção e a discussão sobre as confluências entre a questão dos gêneros e sexualidades, a Moda e o comportamento no contemporâneo.

Com apenas 20 (vinte) vagas O corpo utópico: anotações sobre Moda e Gêneros recebe as inscrições pelo e-mail casajudith@gmail.com ou pelo telefone (11) 3228-0826.

SERVIÇO
Data: 19 de setembro de 2016 (segunda-feira).     
Horário: das 18h às 20h30.
Local de realização: Rua do Seminário, 199 – Conj. 73 – Próximo ao Largo do Paissandu – São Paulo – SP – Estação São Bento da Linha 1 Azul do Metrô.
Telefone: (11) 3228-0826.
Valor: Entrada colaborativa – pague quanto puder!
A palestra só será realizada com o fechamento de turma, com 20 (vinte) vagas.

Classificação: a partir de 16 anos.


Comentários



Instagram