Pular para o conteúdo principal

Destaques

Pilão Inova e Lança Café Solúvel Saboroso Como o Coado

Pilão, marca do café forte do Brasil e líder do setor no país, lança o novo Pilão Solúvel que une a praticidade do solúvel com blend, sabor e aroma semelhantes ao café coado. A inovação tem como objetivo aumentar o número de consumidores na categoria com o perfil sensorial do café coado, o mais consumido pelos brasileiros (66%), de acordo com dados da Organização Internacional do Café (OIC).  Segundo levantamento feito pela Associação Brasileira de Café Solúvel (ABICS), a categoria cresceu 19% nos primeiros quatro meses deste ano tanto no consumo interno quanto nas exportações. Entre janeiro e abril, ao todo, foram 298 mil sacas de 60kg ante 251 mil sacas no mesmo período do ano passado.  
“A categoria de cafés solúveis vem conquistando cada vez mais adeptos em todo o mundo, inclusive no Brasil em função da oferta de bons produtos que agregam a facilidade no preparo no dia a dia. Pilão Solúvel traz o DNA da marca, com as características do café encorpado que todo o brasileiro conhece”,…

Risco X Benefício




Este texto não pretende focar em questões políticas envolvidas na pandemia do coronavírus, mas sim, na principal chance de cura até o momento. Mesmo que mínima, ou trouxesse efeitos colaterais em demasia, dever-se-ia ser levada em conta. Posso dizer isso com propriedade, pois tenho uma doença crônica parcialmente tratável (não me garante uma vida normal) e sem tratamento específico para as eventuais crises. Tivesse eu uma chance, mesmo que pequena, agarrar-me-ia forte a ela.

Aliás, essa questão de efeitos colaterais está sendo alçada a uma categoria que eu julgava não existir, pois nunca soube de pacientes oncológicos recusarem com frequência quimioterapia por conta dos efeitos colaterais. O que é um sintoma menor diante da possibilidade de cura?

As pessoas têm direito sobre seus próprios corpos. Cabe ao paciente aceitar ou não o tratamento. Sendo assim, ninguém deveria impedir seu acesso a ele. Hoje, misteriosamente, não se encontra mais a Cloroquina nas farmácias de São Paulo. Como ficam os pacientes com lúpus ou artrite reumatoide? Interrompem seus tratamentos?

Não entendo o porquê das pessoas diagnosticadas com Covid-19 recusarem-se a tomar Cloroquina. Milhares de pessoas, com distintos diagnósticos, buscam tratamentos alternativos (o que eu não faria mas também não julgo que o faz), muitos sem comprovação científica alguma e, de repente, diante de um tratamento já comprovado pela prática, fecham os olhos. O que será que se passa na cabeça dessas pessoas?

Como disse, a Cloroquina é uma medicação com ação já documentada contra o Covid-19, como podem ver a seguir:






Muito me entristece ver a grande mídia corroborando com isso e, dessa forma, desinformando a população que, um sua maioria, está com o televisor ligado 24 horas por dia. Meu blog tem um alcance ínfimo diante deles, mas espero que, com esse texto, eu possa contribuir com a cura de algumas pessoas.

Comentários

Postagens mais visitadas